Facebook, Instagram, Twitter e tantas outras redes sociais que são usadas com a preocupação somente de vender um produto ou serviço, de mostrar a cara oferecendo os principais benefícios a curto prazo, o imediatismo que, para Bauman, não passa de uma condição de nossa era, tudo se desfaz em rolagens de tela que duram alguns segundos, em busca da próxima grande interação.

E é aí que a sua marca deve se fazer presente. Você produz conteúdo para o “social’ também?

Não é questão de só publicar o meme do momento, mas entender a fase do seu usuário. O que ele quer?
A lady Ariane escreveu mais sobre isso aqui.

Use as redes sociais de uma maneira diferente: veja os conteúdos que as outras pessoas estão fazendo e se inspire. Não tem problema nenhum em stalkear o conteúdo alheio. Na verdade, tem problema se você não fizer isso.

“É tipo isso, mas não isso” (autor desconhecido)

 

#semtreta #pas 

Você usar as plataformas ao seu favor já é um começo. Enquete nos stories do Instagram, reações do Facebook, chatbots… São várias as possibilidades de produzir um conteúdo usando as ferramentas que já estão a sua disposição.

Como um pedido da Ariane que não tem como negar, aqui estou eu, e falarei novamente sobre o meu filho mais novo (porque mãe besta é assim): RPG nos stories.

Tive um insight durante meados de maio e me perguntei porque ainda eu não tinha feito aquilo. RPG nos stories não é novidade: o @pensandorpg e algumas outras contas já fazem isso. Porém, colocar pitadas de marketing digital foi uma forma que encontrei de ficar à vontade criando conteúdo (vamos botar a cara no sol, né?)

Colocando a frase “antes feito que perfeito” como mantra e, claro, planejando a narrativa e possíveis desdobramentos dela numa folha de papel que estava a minha disposição, tracei a primeira missão. E então, era hora de colocar o plano em prática. Abri o Canva (lembra do “antes feito que perfeito, né?”) e comecei a já criar os stories, mas de forma que não parecessem tão “arte”: fundo preto e duas fontes bacanas e estava resolvido o meu problema (inclusive, temos um conteúdo sobre o Canva aqui).

Depois de pronto, programado em uma ferramenta que uso para gestão de redes sociais (sim, eu trato meu perfil como meu cliente!). E quando eu dei uma pausa, devido aos dias de correria misturados com bloqueio criativo, me perguntaram se eu não iria continuar. Isso serviu como um baita tapa na cara: realmente tinha gente que estava sentindo falta (~surprise face~).

Um outro exemplo bem bacana é o do Capitão Planeta Brasil: um chatbot que interage e informa. O intuito é de você descobrir o seu elemento ao mesmo tempo em que:

 

 

 

E agora, me conta… Qual ação você fará para entreter o seu público e ainda passar a mensagem da sua marca?

 

– Caroline Pinna

 

  • Ver +
Jornalista por formação, se apaixonou também pelo marketing digital.
É fundadora da Vinte Comunicação e gerente de Marketing e Comunicação do Tritões FA.
É conteudista no Ladies On.
Ama café, violão, judô e amigos de 4 patas.

Comentários