Métricas do Facebook – O que são? Do que se alimentam? Qual é a mais importante? Sexta, no Ladies On!

Métricas do Facebook – O que são? Do que se alimentam? Qual é a mais importante? Sexta, no Ladies On!

Tem um mistério em torno das métricas do Facebook. São tantas, que muitos social medias tem dúvidas sobre quais analisar, ainda mais no início da carreira.

 

Mas muita calma nessa hora, porque estamos aqui para ajudar! Vamos pegar a sua mão e ir passo a passo durante todo o caminho.

 

O que são as métricas do Facebook?

 

As métricas são aqueles numerozinhos que aparecem nos posts orgânicos ou pagos que mostram o quanto os usuários engajaram na publicação.

 

São elas que acabam nos guiando em todas as etapas da gestão de redes sociais, porque é por meio delas que o público mostra se estamos ou não acertando em cheio na estratégia utilizada, ou seja, sua análise é extremamente importante para alcançarmos os objetivos dos clientes.

 

Do que as métricas do Facebook se alimentam?

 

As métricas se alimentam de nada mais, nada menos que as ações dos usuários dentro da rede social do cliente. Cada clique, cada segundo visualizando um vídeo, cada lead cadastrado…. tudo, absolutamente é alimento para as métricas. É por meio delas que podemos conhecer profundamente o público e suas ações.

 

Sabe aquele gráfico que o Instagram e o Facebook oferecem falando o dia e o horário de maior engajamento? Ele é um tipo de métrica e de suma importância, diga-se de passagem!

 

Fazendo uma análise aprofundada, não só do dia e hora, mas também das imagens e vídeos que receberam mais likes, comentários, compartilhamentos, do tipo de linguagem que está sendo usada, o público que está sendo atraído é possível ver se estamos alcançando o público certo.

 

Qual é a mais importante?

 

Não existe uma única métrica que podemos consagrar como sendo a mais importante. Pois é juntando uma série de dados que conseguimos extrair as informações que precisamos para analisar se as estratégias elaboradas estão sendo realmente efetivas em relação ao objetivo de cada cliente.

 

Para as publicações orgânicas, é de extrema importância analisar os likes, comentários e compartilhamentos. Mas muito mais que isso, é preciso analisar quantas pessoas foram alcançadas com o post, se for em formato de vídeo, analisar quantos segundos de visualização teve. Percebe o quanto o conjunto em si é essencial para uma boa análise? Não é apenas o like ou apenas os comentários… É o conjunto da obra!

 

É imprescindível que, algumas métricas estejam sempre sendo revisadas, entre elas estão:

 

– alcance: mostra quantas pessoas foram alcançadas com tal publicação. É possível aqui ver a audiência em potencial. O alcance pode ser tanto por publicações e por visitas às páginas organicamente, quanto o alcance das publicações patrocinadas às divulgações pagas da page;

 

– pessoas falando sobre isso: essa opção mensura a quantidade de pessoas que interagiram de alguma forma com a marca até os últimos 28 dias. É como se trouxesse uma análise do efeito viral. É nessa parte que é possível analisar os dias, horários e que tipo de conteúdo causou um burburinho para o público alvo;

 

– taxa de cliques: o famoso CTR, contabiliza quantas pessoas clicaram nos links, assistiram aos vídeos ou clicaram nas imagens publicadas. Ela é efetiva também em campanhas patrocinadas mostrando a quantidade de cliques dos anúncios e até mesmo no e-mail marketing.

 

Se é importante saber quantas pessoas foram alcançadas pelo nosso trabalho? Com toda certeza, mas é ainda mais fundamental ver quantas estão convertendo para a ação escolhida;

 

– alcance pago: é impossível falar de métricas e não mencionar os ads do Facebook, também conhecidos como anúncios patrocinados. Esse tipo de ação permite melhorar o desempenho de cada cliente nas redes sociais (leia aqui aplicativos da família do Facebook). Com o alcance pago é possível aumentar o número de “likes”, reconhecimento de marca, geração de leads, conversão, venda de catálogos, aplicativos entre outras opções. Pode ser veiculado para as pessoas que já curtem a determinada página, as amigas delas ou para ainda para quem ainda não conhece a marca. Tudo dependerá da segmentação escolhida.

 

Nos patrocinados é essencial estar de olho no: alcance, frequência, número de impressões, custo por clique, custo por ações e taxa de cliques. Eles mostram o desempenho de cada anúncio pago. Mas dependo do objetivo do anúncio, vale a pena acrescentar outras métricas como, por exemplo, número de leads cadastrados, visualização de vídeo entre outras;

 

– engajamento: o engajamento consiste em toda e qualquer ação que um usuário faz em determinada page, ou seja, interação! Ela é uma das mais importante e aquela que determinará o volume de alcance de tudo o que for publicado. Já ouviu aquela história que quanto mais pessoas interagem, mais importante o post se torna para o algoritmo do Facebook? Cada ação do usuário tem um peso para o algoritmo, então é imprescindível ficar atento aos cliques, comentários, “likes” e compartilhamentos.

 

Tenha em mente sempre que, por mais que o usuário tenha clicado em sua publicação, é o “like” que tem um peso maior, pois para o algoritmo, o “curtir” mostra que o usuário realmente gostou da publicação. Já o comentário tem um peso um pouco maior que o “like”, pois mostra que o post foi bom o suficiente para ele executar uma ação. O que falar do compartilhamento então? Peso máster rsrsrs, pois se o post foi compartilhado significa que é de extrema relevância a ponto de fazer o usuário passar para a frente a informação;

 

– taxa de rejeição: o ideal é estar sempre atento também a taxa de rejeição. É por ela que sabemos quantas pessoas ocultaram as publicações (todas ou individualmente), denunciaram como spam ou ainda deixaram de seguir a página.

 

Analisar essa métrica nos permite enxergar qual foi o momento que isso aconteceu, qual publicação teve um impacto maior para essas ações e o que podemos fazer para  melhorar a estratégia ali utilizada.

 

Acha que está faltando exaltarmos algumas métricas do Facebook? Conta aqui para a gente!

Quando não há métricas, o resultado é vazio

Quando não há métricas, o resultado é vazio

Provavelmente, muitos profissionais da área de marketing digital já lidaram diretamente com clientes ou lideranças que passaram o seguinte feedback para a pergunta: “qual é o objetivo principal?” Vender.

Pois bem, estamos todos inseridos no sistema capitalista, e é muito óbvio que a resposta seria esta, mas simplesmente o ato de “vender” determinado produto ou serviço não é um objetivo definido.

É extremamente importante, tanto para o cliente quanto para o prestador do serviço, que sejam determinados metas de curto, médio e longo prazo, para que o planejamento estratégico seja desenvolvido de modo a alcançar a expectativa estabelecida no início do relacionamento.

Porém, de nada valerá todo o esforço caso não exista a coleta e análise de métricas somada a indicadores (KPI’s).

Mas qual é o benefício direto a um profissional, equipe ou cliente ao lidar com métricas? A resposta é curta, porém complexa: performance.

O desenvolvimento de determinado trabalho sem a mensuração do resultado, é esforço perdido. Isso em qualquer área de atuação, não apenas quando falamos de marketing digital. É, então, extremamente importante que líderes, profissionais e clientes tenham de modo extremamente objetivo o escopo do trabalho definido. 

Se não é possível mensurar todos os fatores que incidem nos resultados, recorremos às métricas

Quando há determinado volume de dados, o trabalho do analista é extremamente melhor direcionado. As variações de mercado por segmento, influência econômica externa ou interna, e sazonalidades se tornam melhores previsíveis com as métricas.

A possibilidade de potencializar um resultado ou inibir um decréscimo financeiro não é um milagre operacionalizado pela agência ou determinado profissional, e sim um resultado por meio de estudos de informações relevantes, e que de modo quantitativo tornam possível um desenvolvimento qualitativo.

Quais os tipos de métricas necessárias para uma empresa que venda online para o produtor insumos para a produção de café? Não basta pensarmos apenas em números de acessos ao site por período, tempo de permanência, ou taxa de rejeição, é necessário ir além.

É importante sempre ter em mãos as respostas para perguntas como:

  • Há algum novo benefício (ou corte) para agricultores naquela região foco?
  • Houve algum desastre ambiental?
  • A plantação irá atrasar ou acelerar nesta safra?

Com este feedback, será possível intensificar ou desacelerar o investimento (não estamos falando apenas de marketing), e “prevenir” desaceleração financeira, ou mal investimento de capital.

Outro ponto de extrema importância é que não é adequado promessas a nenhum trabalho claro, mas principalmente aos iniciados do zero.

Uma marca que não possui conhecimento sobre seu público torna muito mais complexa a avaliação, e talvez até a entrega de resultados, porque não?! Cabe novamente as duas partes o esclarecimento. Clareza não é, e não pode ser, sinal de fraqueza perante o mercado, e sim mais um fator de ética profissional. O tempo e a coleta de métricas adequadas permitirão metas reais alcançadas.

Para fecharmos, cabe a liderança “descobrir” os caminhos que o cliente deseja alcançar, instruir o time, para que o planejamento estratégico seja o mais completo possível; verificar e acordar com o cliente todas as métricas e KPI’s para alcançar o objetivo real.

Empresas e profissionais que não possuem métricas e KPI’s estão fadados a não atingir as expectativas do cliente

A consequência é que este se encante por resultados alcançados pelo concorrente. O destino do cliente que não consegue atingir o objetivo é, com o tempo, não identificar valor no trabalho, debater preço, e a agência não conseguirá alcançar o sonhado upsell ou renovação de contrato.

Para o cliente, fica a frustração e a insegurança no mercado. Para a agência ficam os custos para a aquisição de novas contas, e o desestímulo dos profissionais.