Dicas para entreter sem interromper  – Como as marcas podem se comunicar sem interromper o seu público?

Dicas para entreter sem interromper  – Como as marcas podem se comunicar sem interromper o seu público?

Quando citamos que as redes sociais exigem que as marcas encontrem maneiras de se comunicar sem parecer anúncios publicitários, estamos falando de entretenimento, lde como reter o seu cliente no conteúdo proposto para que se crie um laço entre consumidor e marca, gerando conversas e compartilhamentos entre seus seguidores.

A tarefa não é fácil, entre as grandes empresas que disponibilizam verbas altas e estão dispostas a investir na marca e no seu posicionamento, fica mais acessível gerar estratégias de entretenimento. Mas, quando a empresa é menor ou tem um pensamento de “quero vender e ponto”, esperando resultados imediatos, dificulta-se a estratégia.

Se a empresa quer investir na marca e a verba é enxuta, não possibilitando grandes campanhas, seguem algumas dicas que podem te ajudar.

Na internet:

MEMES

Memes são uma ótima forma de gerar conversas e compartilhamentos entre o seu público e, se a sua marca tem uma pegada divertida, você pode usar os do momento nas suas redes sociais e incentivar o compartilhamento. Mas, lembre-se, é importante que todo e qualquer post tenha um objetivo e esteja de acordo com a sua persona.

VÍDEOS

Hoje os vídeos estão em alta e proporcionam uma interação maior entre marca e consumidor. Você pode usar os vídeos para conversar diretamente com o seu público (sim, bote essa carinha no sol pra brilhar), se for bom de edição pode criar vídeos animados explicando sobre uma curiosidade ou sobre o seu produto. Use também vídeos depoimentos.

LIVES

Tanto no Facebook quanto no Instagram, as lives são super bem vindas e você pode aproveitar para tirar as principais dúvidas dos seus clientes em relação a um produto ou lives de preparos, caso seja um restaurante, por exemplo. As lives são muito legais para aproximar e entreter o seu público.

IGTV

O novo formato do Instagram chegou causando polêmica e animação aos criadores de conteúdo. Como o formato permite até 10 minutos de vídeo para contas não verificadas, você pode utilizá-lo para gravar curiosidades, tirar dúvidas e gerar conhecimento para a sua base de fans.

STORIES

A queridinha do momento, as Stories têm um grande volume de pesquisas e retém a sua base. Através de enquetes, Gif’s e figurinhas você consegue criar stories animadas e engajar o seu público no conteúdo criado. Ali você pode mostrar o produto que acabou de ser lançado, mostrar a sua empresa, dar dicas rápidas, criar conteúdos momentâneos, entre infinitas possibilidade que podem ser utilizadas nesse formato.

E-BOOKS

Os E-books são formatos mais completos para quando você precisa gerar cadastros/leads no seu site. Eles são uma ótima oportunidade para você mostrar que domina o assunto e propagar conhecimento na sua base. E o que antigamente necessitava de um site, hoje você pode disponibilizá-lo pelo messenger, WhatsApp e pela sua própria fan page.

No Off-Line

CAFÉ DA MANHÃ

A Harley Davidson é um bom exemplo de como isso funciona, todos os sábados, na maioria de suas lojas, ela oferece um café da manhã com food-trucks e bandas ao vivo para quem quer visitá-la. E, por mais que o exemplo tenha sido de uma marca grande, você pode adotar a prática para o seu comércio, oferecendo um pequeno café com atrativos para que o seu público visite o estabelecimento.

PALESTRAS E EVENTOS

As palestras e eventos são uma ótima pedida para quando você precisa propagar sua marca para um nicho específico.

Aqui na cidade de Itu, interior de São Paulo, no mês de junho a Palone Tintas fez parceria com a Sherwin-Williams para realizar um evento em que seria divulgada a Cor do Ano. Foram distribuídos convites para arquitetos e decoradores da cidade, o acontecimento foi um sucesso e já temos demanda para os próximos.

DEGUSTAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO PRODUTO

Quando se lança um produto é legal, além de divulgar nas redes sociais, que se faça uma degustação ou uma apresentação do mesmo em funcionamento para os seus clientes. Além de muito atrativo, a ação atrai novos clientes e faz com que os antigos conheçam, de fato, o seu produto.

Viu como você também pode utilizar o entretenimento para atrair clientes?

Mas lembre-se, cada ação, seja na internet ou no off-line, precisa estar alinhada com seu público e ter objetivos concretos.

Criatividade Inteligente – O dom que não nasce, mas se desenvolve.

Criatividade Inteligente – O dom que não nasce, mas se desenvolve.

Lembra quando você era criança e riscava as paredes e sua mãe queria te matar?

Pois é, ali a sua criatividade queria criar asas, mas, digamos que a parede não é tão aceitável. Aí os seus pais resolvem te dar um bloquinho e uma caixa de lápis de cor ou giz de cera, assim você ficava entretido e não destruía as paredes (kkk).

Há aqueles que dão quebra cabeças, bloquinhos de montar, Legos, enfim…uma infinidade de formas e cores que a sua mente PIRA na bananinha para absorver e aproveitar tudo. Sua imaginação flui, você inventa histórias com tijolos, barros e guarda roupas da avó. Eu lembro que quando minha casa estava em construção haviam muitos tijolos e o quintal era de terra, imagina a farra? Brincávamos MUITO de montar vilas e casinhas naquela zona toda.

Mas, você começa a ser introduzido na sociedade e suas normas que ditam que exatas dá mais dinheiro que humanas “Filho meu não vai ser artista! Aprenda algo que dê lucro”

Em um mundo capitalista, o dinheiro comanda, mas o seu coração adoece e quando cresce percebe que não é tão criativo quanto o amigo designer ou que queria poder criar sem pensar no boleto que vai vencer. A verdade é que a sociedade nos tira da inocência e coloca a nossa criatividade em um pote de vidro, difícil de abrir com o passar dos anos.

Me senti assim por algum tempo, mas tive a sorte da minha mãe incentivar. Porém, não sou o tipo de criativa das cores, eu gosto das palavras, da comunicação e da conexão que posso fazer com diversas pessoas através do conhecimento.

(Mas, você não era designer?)

Sim, sou na verdade, a gente não apaga o que é, só escreve o que quer ser.

Trabalhei na área de criação por 8 anos, mas sempre me senti meio fora da caixa criativa, eu gostava de pensar como aquela paleta e como aquelas formas poderiam agregar ou encantar quem a visse. Então meus esforços acabavam sendo mais no texto do que na arte em si. Não que eu não gostasse do meu trabalho, o amei e aperfeiçoei durante anos, mas quando entrei na faculdade descobri um outro possível universo, o das palavras que já eram parte da minha vida, porém nunca dei a devida atenção. Sempre gostei de escrever, tive blogs, tumblrs, diários, agendas de versos… enfim, no entanto ela ficou ali de canto enquanto eu me divertia com as cores.

Contudo, havia um obstáculo na minha cabeça, eu não era criativa e me convenci disso e me senti um NADA perante aqueles que eram tudo. Por sorte, ou teimosia, não deixei que aquilo fosse uma parede no meu caminho, não era possível que a criatividade fosse um dom, e se ele for eu quero tê-lo. Portanto comecei a pesquisar sobre técnicas em desenvolver a criatividade e me deparei com um workshop online da Hypeness que falava exatamente sobre isso. Lembro que teve uma aula com o Murilo Gun sobre criatividade e como desenvolvê-la e assistindo a aula foi como se acendesse uma luz na minha mente, eu podia tê-la, só precisava trabalhar nela.

E nesse percurso descobri a “Criatividade Inteligente”, basicamente ela é uma forma consciente de desenvolver a criatividade através de novas conexões cerebrais que possam desenvolver a nossa capacidade de associar e criar. Há quem associe a criatividade com a criação de arte, porém, ela está no nosso dia-a-dia sem que a percebemos, ali na receita nova, no trabalho quando tens uma nova ideia para um projeto ou na solução de problemas cotidianos. Ela tá ali. Nos acompanhando como uma sombra sem que a percebemos. Você percebe as sua sombra? Nem eu.

Essas manifestações fazem parte do processo criativo, no qual colocamos para fora nossos pensamentos, nossos sentidos e nossa percepção individual do mundo, do nosso mundo. Quando somos capazes de traduzir nossos sentidos em movimentos, cores, palavras e formas e fazer sentir um desejo individual ou coletivo, estamos criando, estamos sendo criativos.

Tá, e como desenvolvo essa tal de criatividade inteligente?

A conexão interna é um dos aspectos mais importantes para vivenciar os processos criativos e criar novos projetos, soluções e criações. Independente da área em que atua, a motivação é um dos principais motores para se fazer qualquer coisa e ela não vem de fora, ela vem de dentro.

E aí nos deparamos com vários tipos de criativos e pessoas que desenvolvem seus papéis de acordo com a sua personalidade, quem listou esses 4 estereótipos foi o Roger von Oech, um estudioso e consultor em criatividade no Vale do Silício (Silicon Valley)

EXPLORADOR: Busca o que deseja fazendo uma seleção perante uma série de objetivos. Gosta de ser original, portanto sua curiosidade é sua melhor amiga. Escreve as suas idéias e está sempre alerta.

ARTISTA: Transforma a informação em ideias inovadoras, é flexível e se adapta a qualquer ambiente. Rompe regras antigas e cria novas sem ter medo de arriscar-se.

JUIZ: Avalia bem as ideias para decidir se implementa ou não. Seu tempo é seu aliado e sempre segue um cronograma para implantação da nova ideia.

GUERREIRO: É estrategista e planeja cada passo para colocar a ideia em prática. Tem coragem, enfrenta todas as críticas e persiste em suas ideias quando acredita nelas.

O ideal é que cada pessoa tente combinar esses estereótipos para que consiga se desenvolver. Ou seja, que você saia da zona de conforto e ao invés de nadar na piscina que é mais confortável, se jogue em uma cachoeira. A premissa da criatividade inteligente é exatamente essa, que você experimente novas formas de ver o mundo, que você ouça novas músicas, vá à festas diferentes, assista filmes que nunca assistiu, leia livros, escute podcasts, aprenda novos idiomas e coisas novas todos os dias para que o seu cérebro “ative” as sinapses e você consiga incluir o processo criativo no lugar que você o quer.

Entenda que em todo ato de criatividade há um diálogo entre seu passado e futuro, é tudo aquilo que você aprende hoje e amanhã. É o aprender, é o tentar e errar. É ser o que você é além das rupturas da sociedade e além do “não” que você já tem.

DICAS DE LIVROS:

Roube como um artista – 10 dicas sobre criatividade (Austin Kleon)

Um toc na cuca (Roger Von Oech)

Um chute na rotina – Os quatro papéis essenciais no processo criativo (Roger Von Oech)

Tenho uma ideia – Um clássico sobre pensamento criativo (Roger Von Oech)

Quem matou a criatividade? O assassino está por perto (Andrew Grant e Gaia Grant)

SITES LEGAIS:

Puta Sacada – Redação Publicitária

Choco La Design 

Abduzeedo

Design Culture

Pinterest (Não vivo sem)

Hypeness

Buzzfeed

FERRAMENTAS QUE UTILIZO:

Criação: Adobe Photoshop, Adobe Illustrator, Canvas (app para criação) e Crello 

Gerenciamento de projetos: Trello e Operand

Textos: Guardo meus textos no Google Drive e edito tudo por lá.

Também utilizo o Avaliador de títulos e Contador de caracteres

E o google trends keyword planner

Apresentação: Power Point

Edição de fotos: Adobe Photoshop e Mix by Camera360 

 

 

Cliente exigente e a personalização nas vendas  

Cliente exigente e a personalização nas vendas  

Se você for perguntar para os seus pais ou avós o que eles levam em conta na hora de comprar algum produto, como por exemplo, uma máquina de lavar, certamente eles dirão que é a qualidade da marca, capacidade de quantos quilos ela suporta, se economiza água, entre outras qualidades.

Agora, se pergunte, o que te levaria a comprar tal máquina de lavar? Deixa eu adivinhar, você deve ter pensado em como ela pode agilizar a sua rotina, em como a conta de energia poderá sair mais barata para você, entre outros itens que sempre levam em consideração.

É nesse ponto que quero chegar. O consumidor ficou muito mais exigente, e isso fez com que as empresas mudassem suas linhas de pensamentos e tirassem o foco dos produtos, passando a mostrar o que podem proporcionar para a satisfação do cliente ou nos benefícios que trarão para seus consumidores.

Mais que conhecer os gostos e preferências de seu cliente, entender qual o objetivo ao comprar, faz também muita diferença na hora de apresentar isso de forma mais atrativa e PERSONALIZADA.

Com isso, sabendo o que o cliente quer comprar, quanto ele pretende investir e outros detalhes, fica mais fácil criar o tipo de cliente ideal, ou o que costumam chamar de: PERSONAS.

Saber o público que você deseja atingir é essencial, mas a persona vai muito além disso, ela personifica quem é o seu potencial comprador em detalhes, o que facilita na hora de produzir os conteúdos direcionados e com a qualidade que acarretará em resultados.

Criamos personas para enviar a mensagem certa para as pessoas certas e, assim, termos maiores chances de sucesso.

É fácil? Nem sempre, mas se o seu negócio ainda não tem uma persona – ou várias personas (sim isso é possível) -, recomendo que comece a identificar seus potenciais clientes e a personalizá-los o quanto antes!

 

A persona pode estar do seu lado

A persona pode estar do seu lado

A construção de personas é uma das partes mais importantes no desenvolvimento de um planejamento estratégico e é também uma das que geram mais dúvidas entre os profissionais de comunicação. Há diversas estratégias que podem auxiliar nesse processo.

Hoje, eu gostaria de ressaltar uma dica bem simples que pode ser crucial para a criação de uma persona efetiva.

Quando vamos desenvolver um planejamento para uma empresa que já possui seu serviço em andamento, ou seja, que não está se lançando no mercado naquele momento, muitas vezes nos esquecemos que uma das grandes chaves para entendermos com quem aquela marca fala/convive/vende está justamente em ouvir quem já lida com os clientes de forma mais direta.

Por exemplo, em uma loja de roupas, o ideal seria marcar um bate papo com os atendentes. Eles é que poderão nos contar um pouco mais do perfil de consumidores mais frequentes.

Às vezes, os sócios da loja sabem nos passar informações sobre o ticket médio, quais são os produtos mais rentáveis, como tem sido o lucro mensal, quanto pretendem vender no próximo ano, mas a parte, digamos, social, fica por conta dos que estão na linha de frente, em contato direto com o público. E esse é um tesouro que está ali ao nosso alcance.

Portanto, na hora de construir personas, lembre-se de não se ater somente às pesquisas exteriores e aos prospects que os donos almejam ter, mas também em dar atenção aos clientes que já existem e que podem nos dar um norte certeiro sobre qual caminho seguir.

 

4 ferramentas baseadas em dados para conhecer melhor sua persona

4 ferramentas baseadas em dados para conhecer melhor sua persona

Aprofundar o estudo sobre as personas do seu cliente ou negócio pode trazer insights importantes e permitir tomadas de decisão e investimentos mais assertivos. Nesse sentido, algumas ferramentas podem ajudar a conhecer melhor o comportamento, consumo e interesses dos arquétipos idealizados.

Justin Timberlake GIF - Find & Share on GIPHY

 

Para te ajudar nesta pesquisa, listamos abaixo algumas ferramentas para explorar a própria base de clientes e, ainda, conhecer a audiência de concorrentes e empresas similares. Confira!

Conheça melhor sua persona

 

1 – Audience Insights do Facebook

Com o Audience Insights você identifica o nicho para o qual sua página está falando e, a partir daí, é possível extrair personas. Ou, ainda, você pode criar públicos de acordo com as personas idealizadas e entender o comportamento dela no Facebook. Nela é possível obter:

  • dados demográficos: idade e gênero, relacionamento, nível educacional e cargo.
  • páginas mais curtidas pelo seu público: ao identificar marcas com maior afinidade, também é possível extrair ideias de conteúdo e pensar em possíveis comarketings.
  • dispositivo mais usado e comportamento de atividade no Facebook: use esses dados para criar conteúdos que aproveitem o tipo de interação mais comum entre sua persona.

 

2 – Alexa

Conheça quem visita o site de empresas concorrentes ou similares. O site informa faixa etária, educação, localização de acesso, etnia, renda e filhos.

 

3 – Google Analytics

Não esqueça de ver os dados do seu próprio site. No GA, é possível identificar dados como perfil demográfico, interesses de compra e tipo de dispositivos. A partir desses dados, você poderá validar ou idealizar novos arquétipos.

 

4 – Navegg

Vá ainda mais fundo na sua análise de usuários do site e experimente o Navegg, uma ferramenta gratuita do grupo Buscapé, com instalação similar ao Google Analytics.

Sua abordagem é qualitativa, focada nos traços comportamentais da audiência, como motivação de compra e preferência. O Navegg categoriza seus usuários em 8 perfis, desenvolvidos com base em comportamento de compra na internet.

Aproveite e veja qual é o seu perfil de acordo com o Navegg aqui.

 

Alguns pontos importantes:

  • Antes de começar a idealização de novas personas, comece com as informações que você já tem, seja da audiência do site, redes sociais ou extraindo informações pela base de emails já existentes. Se a empresa está começando do zero, aí sim, comece pelo cliente ideal.
  • Periodicamente, revalide e, se preciso for, corrija as personas criadas.
  • As informações obtidas com a empresa (seja por pesquisas com consumidores ou entrevistas com diretores e vendedores) são imprescindíveis para a criação de personas.

Você já usou ferramentas que tenham ajudado a conhecer melhor sua persona? Divida sua experiência nos comentários.