Quando nos acostumamos a lidar com um volume grande de informações, o processo natural nos leva ao planejamento. A mente humana é falha. É normal esquecermos de coisas que certamente seriam importantes e relevantes para executarmos a tarefa que precisamos executar e eliminar aquela grande chance de ‘dar merda’, que nos acompanha a todo momento.

Iniciei minha carreira em uma área que, naquele momento, não tinha tanta relação com o marketing digital. Era produtora executiva de uma banda, e detalhes como shows, eventos, gravações de cd’s e dvd’s, turnês internacionais e afins, sempre fizeram parte de maneira muito próxima da minha realidade. Dos localizadores das passagens, ao despacho de equipamentos, aos detalhes de contrato dos envolvidos em turnês, se não houvesse o planejamento em minha vida, certamente tudo teria sido mais difícil.

No momento em que deixei de atuar como profissional de eventos e voltei a dar atenção a minha área de formação, vi que havia muito mais semelhanças que diferenças. O planejamento é essencial a comunicação, principalmente àqueles que, como eu, criam conteúdo. A disciplina que precisa existir para que o conteúdo criado seja clicável e compartilhável é fundamental para que nós evitemos a repetição, principalmente quando atendemos mais de um cliente ao mesmo tempo – o que, vamos combinar, é a realidade né?

Como todo processo em comunicação, temos as etapas básicas que são comuns a todas as contas, como a definição de objetivos e determinar o público alvo, por exemplo. Considero estas duas etapas como as mais importantes no processo de planejamento. E, não se assustem, os clientes muitas vezes não tem a menor ideia dos objetivos das campanhas e, por vezes, não conhecem o público alvo. É incontável o número de vezes que tive que repetir o mantra “não pense na rede social como você quer ver, e sim como o seu público”. Não importa o que eu gosto de ver, importa o que o usuário vai ver. Você ainda pode definir diferentes comunicações para vários tipos de usuário, como o influenciador ou consumidor final, ainda assim, a comunicação tem que ser pensada para cada público em específico.

Depois disto, você vai definir onde publicar – até porque o conteúdo é específico para cada rede – e, a partir daí, pensar no conteúdo. Óbvio que existem outras etapas, que diferem entre cada profissional. Na minha vida, de atender diversas contas, algumas delas com uma demanda muito alta de publicações em várias redes, eu preciso ser um pouco ágil nesse processo. Na “vida real” em um ambiente de agência, você não terá chance de realizar um brainstorming cada vez que uma demanda chegar. É só você e você mesmo. E aquele ‘fura-pauta’ é a realidade nossa de cada dia, lamento informar.

Minha dica é: use e abuse dos recursos disponíveis para facilitar este processo. Por muitas vezes o planejamento é anual e para que você consiga executar, precisa reduzir para planejamentos mensais e semanais. Então, planilhas, Trello, Evernote, Google Agenda, ferramentas para avaliar páginas e perfis existentes e tudo mais que esteja ao seu alcance, deve ser utilizado para que você tenha um planejamento macro bem feito. E, a dica principal: nem tudo é perfeito e os melhores planejamentos do mundo podem não sair do jeitinho que você pensou. Tenha isso em mente para ser flexível a possíveis mudanças.

Nesse mundão de tio Mark, tudo depende do bom humor dele, não é? #pas

 

 

  • Ver +

Analista de Marketing Digital na Tao Interativa , produtora artística e de eventos por profissão, publicitária, gestora de eventos e profissional de marketing por formação, esta escorpiana é filha do mundo.
Conhece mais de uma dúzia de países, e quer conhecer outros tantos. Viciada em (boa) música, churrasco e comida japonesa, maquiagem e unhas bem feitas, ela é dessas que não se abalam por paixão.
Workaholic, obstinada e decidida, sempre trabalhou com artistas e eventos, mas nunca se deixou iludir pela falsa Hollywood em que alguns deles acreditam viver.

Comentários