Em 2015, eu resolvi fazer o meu primeiro mochilão pela América do Sul. Quando tomei essa decisão, eu não tinha a menor ideia de como começar o planejamento. Como criar um roteiro ou calcular gastos com tantas moedas diferentes, lidando com câmbio. Só sabia que iria viajar durante 22 dias pelo Peru, Chile e Bolívia.

Como o tempo seria curto em cada lugar, queria aproveitar ao máximo e da melhor maneira possível. Pesquisei muito e organizei tudo previamente. Criei um roteiro geral e um para cada lugar. Sabia os locais que iria visitar, os melhores trajetos, quais transportes poderia usar para me locomover de um lugar a outro. Além disso, coloquei tudo numa planilha para saber exatamente quanto e em que estava gastando.

Durante o mochilão passei por lugares incríveis como o Salar de Uyuni, Machu Picchu, Deserto do Atacama e a Estrada da Morte. Passei por perrengues e conheci pessoas de culturas completamente diferentes. Viajar te “obriga” a entrar em contato com você mesmo, rever valores, ideias e, até mesmo, descobrir preconceitos que você sequer sabia que tinha.

Foram 3 países, 16 cidades, muita aventura e história para contar! Eu aprendi muito sobre o mundo e sobre culturas, mas também sobre mim, organização e planejamento.

Eu consegui economizar tempo, dinheiro e aproveitar todos os lugares que passei. Todos os gastos estavam dentro do programado e eu estava segura de cada detalhe. Sem dúvidas, foi uma viagem perfeita e o grande diferencial não foi o que eu fiz durante o passeio e sim o que fiz antes de sair de casa: planejei, e MUITO, cada detalhe.

Tanto na vida, quanto nos negócios, a gente deve pesquisar e planejar estrategicamente cada passo. Afinal, planejar é organizar para que as ações saiam exatamente como a gente espera em determinado tempo e com o investimento que se pode ou quer fazer.

O primeiro passo para poder planejar estrategicamente é entender onde a empresa quer chegar. Um gato debochado do clássico desenho “Alice no País das Maravilhas” me ensinou que quando a gente não sabe para aonde vai, qualquer caminho serve. Essa máxima também se aplica aos negócios, quando não se sabe qual resultado esperar, qualquer resultado apresentado, serve.

Dessa forma, diferente da Alice que não sabia para onde ir, só é possível planejar para atender as expectativas do cliente ou do seu próprio negócio quando se está claro aonde a empresa quer (e pode) chegar.

  • Ver +

Jornalista por formação, publicitária na raça. Sou apaixonada por marketing digital, área em que atuo desde 2012 e me especializei pela ESPM/RJ. O foco dos meus estudos ultimamente está em estratégia, planejamento, conteúdo e performance em mídia online.
Mineira (born to be UAI). Aspirante a atleta e viciada em corrida de rua. Viajante/mochileira. Observa o mundo com olhos curiosos e mergulha em diversos universos através de séries, livros, games e fotografias.

Comentários